Quantas vezes um empresário não parou para pensar: será que a realização de cursos de aprimoramento comportamental realmente é efetiva? Como isso pode impactar no negócio? Contudo, estudos apontam que equipes motivadas são estratégicas para o sucesso das empresas.

CTA-BAIXE_A_REVISTA-1

O tema não é simples, mesmo em empresas que se preocupam com a motivação dos colaboradores e com um ambiente saudável, muitas vezes se observa problemas com os colaboradores, pois existe até mesmo a autossabotagem.

“Cada vez mais me deparo com pessoas que se autossabotando o tempo todo, tanto na sua vida profissional quanto na vida pessoal. Isso parte de uma crença limitante que impede que a pessoa realize atividades simples do dia a dia, pois ela mesmo não acredita que dará certo e coloca milhões de empecilhos para executar as atividades”, explica Cristine Pereira, gerente de RH da Confirp

“Como responsável pelo departamento de Recursos Humanos da Confirp, temos o grande desafio de desenvolver mudanças de comportamentos, se tem uma grande preocupação com o desenvolvimento das pessoas e por este motivo investimos em um RH estratégico, sempre com muito carinho e respeito aos colaboradores. Nosso desafio diário é fazer as pessoas enxergarem visões diferentes das situações para ter uma vida mais feliz e menos sabotadora”, explica.

Um dos caminhos que a Confirp utiliza para esse objetivo é a realização de treinamentos que tenham como foco o desenvolvimento comportamental da pessoa. Os resultados desse tipo de ação são muito grandes, segundo a empresa especializada em treinamentos Crescimentum, principalmente quando isso é feito por meio de metodologias embasadas em diversas ciências, como a neurociência, programação neurolinguística, psicologia positiva, coaching, entre outras.

Paulo Alvarenga (P.A.), vice-presidente e sócio-fundador da Crescimentum, explica que o primeiro passo para tornar qualquer ação de desenvolvimento efetiva é trabalhar além das capacidades. Confira abaixo a entrevista que a Gestão in Foco fez com o especialista.

Como se dá um treinamento adequado e como esse pode ir além das capacidades?

Por exemplo, hoje qualquer pessoa pode acessar qualquer conhecimento na internet, porém quantas pessoas realmente aplicam esses conhecimentos? A diferença está em como nós conectamos aquilo que aprendemos com as nossas crenças e nossa identidade.

Eu posso fazer mil treinamentos de gestão do tempo, mas enquanto eu não entender que ser pontual é importante para minha produtividade e para as outras pessoas, não conseguirei aplicar meus conhecimentos de gestão do tempo e continuarei chegando atrasado aos compromissos.

É atuar no nível da identidade que diferencia os treinamentos que trazem somente informações, daqueles que transformam o conhecimento em novos comportamentos e práticas.

Além disso, alguns dos itens mais comuns que garantem a efetividade de treinamentos comportamentais são o foco, a repetição e a emoção.

Foco: o cérebro não é multitarefas, por isso, concentrar-se exclusivamente no treinamento, sem distrações, é essencial para que ele seja efetivo.

Repetição: realizar diversas vezes uma tarefa fará com o que o cérebro passe a executar com mais qualidade e facilidade. Da mesma forma, incluir os novos comportamentos aprendidos como um ritual no seu dia e repeti-lo com uma frequência determinada, fará com que ele se torne uma prática.

Emoção: a emoção nos ajuda a fixar informações e aprendizados, por isso, escolha treinamentos que utilizem esse recurso.

Defina os seguintes termos: resiliência, autossabotagem e âncoras no mundo dos treinamentos profissionais?

Resiliência é a capacidade de superar situações adversas com facilidade. Uma pessoa resiliente consegue tomar boas decisões e manter o controle emocional, mesmo quando está sob pressão.

A autossabotagem é a repetição de comportamentos destrutivos que limitam a vida do indivíduo, mesmo que ela tenha consciência que lhe é nocivo. As pessoas que se sabotam possuem modelos mentais que as fazem repetir esses comportamentos, impedindo sua felicidade, equilíbrio e desenvolvimento.

Um exemplo de autossabotagem é não praticar atividade física. Qualquer pessoa sabe que ser sedentário faz mal para a saúde, mesmo assim muitos não praticam nenhuma atividade e seguem repetindo esse comportamento nocivo.

Uma âncora é um gatilho que ativa uma memória capaz de conectar a pessoa com um estado emocional ou lembrança com o objetivo de conduzi-la à realização de suas metas. Em treinamentos comportamentais são muito positivas e utilizadas porque elas relembram as metas e objetivos estabelecidos em sala de aula, para que não fiquem somente no discurso.

Pode ser uma música, objetivo, tatuagem, entre outros itens que remetam a um propósito ou momento de vida que lembrará a pessoa o porquê realizou determinado compromisso.

Pode-se afirmar que, muitas vezes, o maior inimigo de um colaborador é seu lado psicológico?

De acordo com dados divulgados pela CCL, 75% das carreiras “descarrilaram” por razões relacionadas às competências emocionais, incluindo a incapacidade de lidar com problemas interpessoais. Se observarmos por este prisma, os pensamentos e emoções tornam-se inimigos, já que o indivíduo terá a tendência de repetir comportamentos tóxicos para ele e para as pessoas do seu convívio.

Mas quando essa pessoa encontra caminhos para equilibrar as áreas de sua vida, ela é capaz de aumentar sua inteligência emocional e resiliência. Por meio do autoconhecimento será possível compreender a causa de cada emoção e sentimento, utilizando-os a seu favor e exercendo maior controle emocional. Nesse caso, o psicológico do colaborador se tornará um aliado para alcançar a alta performance.

Vivemos um mundo em que todos temos um excesso de atribuições, informações e stress. As pessoas que possuem maior inteligência emocional conseguem tomar decisões mais conscientes e escolher o melhor comportamento para adotar em cada situação. Por exemplo, imagine que temos um baralho de cartas com os diversos comportamentos que podemos adotar, uma vez que entendo melhor a situação e a causa de cada um de meus sentimentos diante dela, consigo escolher a melhor “carta” para utilizar.

Como mudar padrões já enraizados?

Iniciando pelas identificações da identidade do indivíduo, ou seja, entendendo quais são os modelos mentais ou crenças que estão sustentando esses comportamentos “padrões” e “enraizados”. Isso só é possível por meio do autoconhecimento.

A partir do momento que o indivíduo compreende as crenças e valores que o fazem repetir comportamentos nocivos, ele é capaz de quebrar esse padrão e agir de forma diferente, assumindo novos comportamentos capazes de sustentar uma melhor performance.

Em que momento vale a pena para as empresas aplicar esse tipo de treinamento?

Empresas felizes são empresas lucrativas. Pesquisas realizadas pela Harvard Business School apontam que pessoas felizes produzem 31% a mais e são três vezes mais criativas.

Para que as pessoas se sintam felizes no trabalho é necessário que elas se conectem com um propósito. De acordo com a Harvard Business Review, os profissionais que enxergam algum propósito em sua atividade sentem 1,7 vez mais satisfação no trabalho e são 1,4 vez mais engajados.

Colaboradores engajados cooperam mais, atuam de forma mais proativa, com energia, criatividade e otimismo, também tomam melhores decisões e aprendem mais rápido. Todos estes efeitos reduzem as chances de as pessoas desenvolverem doenças ligadas ao emocional.

No mundo ágil que estamos vivenciando, muitas atividades, especialmente as operacionais, estão sendo automatizadas, por isso os seres humanos tendem a assumir funções mais interpretativas, que envolvem relacionamento interpessoal e a resolução de problemas e conflitos.

Ao mesmo tempo, os afastamentos por doenças de natureza psicológica e emocional vêm aumentando e, por isso, fatores como o engajamento e inteligência emocional tornam-se muito relevantes.

Por essas razões, é possível perceber os impactos positivos de treinamentos de performance pessoal nas organizações. Os participantes irão conhecer estratégias para equilibrar todas áreas da sua vida, melhorar sua inteligência emocional e terão uma experiência de profundo autoconhecimento, compreendendo seus propósitos e motivações. Certamente, os colaboradores aumentarão seu engajamento e felicidade no trabalho e a organização perceberá os impactos positivos.

Como avaliar os resultados desse investimento para as empresas?

De acordo com uma pesquisa realizada pela Gallup, funcionários com baixo engajamento têm uma taxa de faltas 37% maior, 18% menos em produtividade e 15% menos rentabilidade. Isso significa que colaboradores desengajados passam 34% do seu tempo trabalhando abaixo do esperado.

O baixo engajamento de colaboradores gera um alto custo para as empresas, além de aumentar as chances de as pessoas estarem infelizes e desenvolvendo doenças emocionais, como a depressão.

A melhor forma de avaliar os efeitos desse tipo de treinamento é mensurando o engajamento dos colaboradores, o nível de felicidade no trabalho, clima organizacional, turnover, níveis de afastamentos por motivos de saúde, número de novas pessoas interessadas pela sua empresa.

P.A. da Crescimentum também detalha termos relacionados a esses treinamentos:

  • Treinamentos de performance: permitem ao indivíduo equilibrar as áreas da sua vida e aumentar o autoconhecimento, fazendo com que a pessoa conheça seu propósito e motivações. Ao mesmo tempo, é capaz de tornar a pessoa mais resiliente e inteligente emocionalmente.
  • Autossabotagem: a autossabotagem tem um impacto negativo na vida das pessoas, pois faz com que o indivíduo repita um comportamento nocivo, mesmo tendo consciência de que ele é ruim para si e para as pessoas do seu convívio.
  • Âncoras: metas e objetivos serão estabelecidos no decorrer do treinamento. As âncoras são utilizadas para sempre lembrar o participante do propósito e importância de colocar os planos e novos comportamentos em prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *