Mudanças nas leis trabalhistas (a chamada reforma trabalhista) nunca estiveram tão próximas, já foram aprovadas ações que apontam para a ampliação da terceirização e, aparentemente, essa solicitação dos empresários deve ser finalizada rapidamente, proporcionando uma mais que esperada modernização.

reforma trabalhista

A Confirp dá todo suporte técnico à sua empresa em relação ao que mudará

A pressão por parte dos sindicatos para que não ocorram essas mudanças são muito grandes, mas, por outro lado, entidades patronais afirmam que reforma trabalhista não representa a retirada de direitos dos empregados no país. Recentemente, em audiência pública, na Comissão Especial da Reforma Trabalhista (PL 6787/16), representantes de seis confederações patronais defenderam a proposta como forma de modernizar a legislação e retomar a geração de empregos no Brasil.

O representante da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Damião Cordeiro, ressaltou que a reforma trabalhista é necessária ao país para promover a modernização da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e garantir a criação de empregos.

“A lei trabalhista protege muito o trabalhador mas, por outro lado, retira dele o bem maior que ele tem, que é o emprego”, disse. “Entendo que há uma relação entre a atualização trabalhista, valorizando a negociação coletiva, com o índice de desemprego caindo. Uma legislação trabalhista rígida não garante direitos sociais”, concluiu.

A opinião é compartilhada pelo advogado trabalhista Mourival Ribeiro, que afirma ser uma necessidade. “Pode parecer um absurdo, mas, se uma pessoa tem carteira de trabalho assinada, por mais inteligente e importante que seja o cargo que exerça na empresa, ela será tratada como sendo ‘relativamente incapaz’ e, ao final do contrato de trabalho, poderá demandar contra a empresa sem qualquer ônus, com risco zero, bastando, para tanto, que alegue ‘ser pobre’ na acepção jurídica da palavra. A legislação trabalhista, não admite a celebração de outro tipo de contrato que não o regulado pela CLT; tal fato acaba por trazer enorme insegurança jurídica à empresa. Penso que este é um dos principais aspectos”.

Ele explica ainda que a legislação é muito antiga, sendo que a Justiça do Trabalho completará 74 anos em maio e, ao longo deste período, várias alterações foram inseridas no texto, criando uma verdadeira colcha de retalhos, afora as decisões diariamente proferidas pelos Tribunais, que a cada dia criam um entendimento diferente e passam a ter força de lei. Tais fatos acabam por tornar a nossa legislação bastante complexa e mesmo confusa aos olhos do empresário.

Justiça pró-trabalhador?

Mas um dos grandes problemas é que hoje se observa uma justiça muito pró-trabalhadores e, mais que isso, que impossibilita que pessoas altamente capazes possam definir seus contratos. Portanto, o que especialistas buscam não é o fim dos direitos, mas ajustes que permitam melhores acertos.

“Penso que direitos básicos já conquistados e que fazem parte da cultura do trabalhador, como 13º salário, férias, horas extras e FGTS, devem ser preservados até determinada faixa salarial e, a partir de determinado patamar, permitir que as partes possam livremente estabelecer mecanismos e cláusulas específicas para regular as relações de trabalho, afinal, um gerente de uma grande empresa, por exemplo, tem plenas condições e discernimento para negociar diretamente com o seu empregador,  mas não vislumbro tal possibilidade em curto espaço de tempo”, explica Mourival.

Infelizmente, nossa lei parte de um entendimento antigo (defendido por alguns sindicatos) de que a principal preocupação do empresário é encontrar mecanismos para “lesar” o direito do trabalhador. Enfim, em vez de criar uma relação amistosa, se estabelece um clima de disputa, no qual todos saem perdendo. Para piorar, existem muitos profissionais que encontram nessas brechas uma forma de prejudicar a empresa.

“Não concebo, por exemplo, que um advogado já experiente assine um contrato de associado com determinada banca de advogados, tenha ganhos significativos e, depois de determinado período, vá questionar seus direitos na Justiça do Trabalho. A partir de um patamar salarial, se deve permitir o direito à negociação dos termos de um contrato. Porém, tal tipo de transação não interessa ao governo, porque, se olharmos os percentuais de impostos e contribuições que empresa e empregado recolhem mensalmente aos cofres públicos, vemos que ele (governo) fica com a maior parte do bolo”, argumenta.

Outro exemplo de trabalhos que geram reclamações trabalhistas posteriores é quando o profissional atua como “PJ”, enquanto que a empresa defenderá que a competência é da Justiça Estadual.

Proposta antigas devem ser retomadas?

Não se pode dizer que melhorias nunca ocorreram, pois, periodicamente, são editadas leis para tratar de temas específicos. Em 2011, por exemplo, a Lei 12.551, alterou o artigo 6º da CLT, para tratar do trabalho remoto como elemento da relação de emprego e estabelecer que não se distingue entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador, o executado no domicílio do empregado e o realizado a distância, desde que estejam caracterizados os pressupostos da relação de emprego.

Importante ressaltar que, por força do texto acima, se a empresa permite o acesso remoto do empregado a sua rede sem qualquer tipo de controle, poderá ter sérios problemas em demandas pelo pagamento de horas extras, por exemplo.

Contudo, muito ainda tem que ser feito e propostas de reformas trabalhistas não faltam, datando algumas do governo Fernando Henrique Cardoso, que preconizava que acordos coletivos tivessem força de lei, contudo, tal ideia foi sumariamente engavetada logo no início do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

E se vê um longo campo de batalha, principalmente em relação aos sindicatos, que perderam muito sua representatividade junto aos trabalhadores e, em boa parte das vezes, possuem dirigentes que estão preocupados com a arrecadação da contribuição sindical. Isso abre uma nova necessidade, que é ocorrer também uma ampla reforma sindical, de modo a pôr fim a arcaica e anacrônica estrutura atual.

Reforma trabalhista, o que pode mudar?

Em relação à proposta que segue no Congresso Nacional, o advogado Mourival Ribeiro, explicou alguns itens que são debatidos e que poderão melhorar a relação empresa x empregado, especificamente sobre a prevalência do negociado (acordo coletivo de trabalho) sobre o legislado (CLT).

Olhando para o universo de micro e pequenas empresas atualmente existentes no país, se conclui que as alterações que terão maior impacto sobre essas, serão aquelas que possibilitam o parcelamento do gozo de férias em três períodos (um obrigatoriamente com duas semanas); fixação da jornada de trabalho em até 12h ao dia, desde que respeitado o limite de 44h semanais; e possibilidade de estipulação do intervalo para refeição e descanso em mínimo de 30 minutos. Não poderão ser objeto de qualquer alteração ou negociação itens como FGTS, décimo terceiro salário e normas de saúde, segurança e higiene do trabalho.

Um ponto importante tratado no projeto diz respeito à possibilidade de implementação de “regulamento empresarial”, por meio do qual a empresa poderá explicitar e tornar claras as suas normas e seus valores, aos quais o empregado estará vinculado e deverá respeitar. Referido regulamento poderá disciplinar, por exemplo, uso de bens da empresa, acesso às redes sociais, restringir acesso à internet para fins particulares, dentre outras disposições.

Maior poder aos sindicatos

Ao estabelecer que “A convenção ou o acordo coletivo de trabalho tem força de lei quando dispuser sobre o parcelamento de período de férias, jornada de trabalho, regulamento da empresa dentre outros”, o projeto confere ainda mais poderes aos sindicatos, verdadeiras “capitanias hereditárias”, cujos dirigentes, em sua grande e absoluta maioria estão preocupados com a arrecadação da contribuição sindical e assistencial, razão pela qual a reforma trabalhista deveria, necessariamente vir acompanhada de ampla reforma sindical.

Outros temas como trabalho temporário, tempo de deslocamento do empregado até o trabalho, instituição de banco de horas, trabalho remoto, trabalho com jornada parcial e estipulação de multas para empresas por falta de registro do contrato de trabalho em CTPS também são tratados no projeto, mas vale lembrar que a referida proposta ainda não foi votada e poderá sofrer alterações. Só resta aguardar para ver.

Este post tem 1 comentário

  1. advogado,correspondente,diligência,rio de janeiro

    um ótimo conteúdo com qualidade profisisonal eu sempre encontro no site de vocês.posso ser sincero em admitir com toda certeza que vocês são a melhor equipe (claro na minha opinião)que falam sobre este tipo de tema uma vez que é dificil observar em sites,blogs,portais entre outros uma forma de escrever ou seja redigirn é igual a de vocÊs estão mesmo de parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *